Os Créditos para os Textos Seleccionados, a partir de Obras adquiridas, pertencem INTEGRALMENTE ao(à) seu(sua) Autor(a) ou Descendentes e Herdeiros e respectiva Editora. Os textos que não possuam a referência do Livro de origem, foram-nos enviados por amigos ou por pesquisas na net, pelo que, se alguma Entidade ou Indíviduo, considerar que estarmos a violar os seus direitos, por favor contacte-nos, e o(s) texto(s) serão prontamente retirados, assumindo que a queixa seja devidamente fundamentada.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Alento/Alentejo

ALENTO/ALENTEJO

Verso de sede
nas pedras do tempo,
sangue e revolta
no peito do Homem,
perfume de esteva
a embalar a fome,
pegada teimosa
em veredas de vento,
Alentejo é a procura
De mais céu e de Alento…

Luís F. Maçarico (A Celebração da Terra)

1 comentário:

Ana disse...

Quando agora atravessei a paisagem Alentejana no Alfa, e olhei aquelas terras, lembrei-me de como tudo mudou ao longo dos tempos. Foi um povo muito sacrificado, mas que lutou e venceu.
Recordo-me de ter 9 anos e ao viajar com o meu pai até Portalegre, ele chamar-me a atenção para aqueles rostos cansados a trabalhar debaixo de um Sol escaldante. Era uma vida muito dura!
O poema é excelente, adorei!
Um grande beijinho,
Ana Paula