Os Créditos para os Textos Seleccionados, a partir de Obras adquiridas, pertencem INTEGRALMENTE ao(à) seu(sua) Autor(a) ou Descendentes e Herdeiros e respectiva Editora. Os textos que não possuam a referência do Livro de origem, foram-nos enviados por amigos ou por pesquisas na net, pelo que, se alguma Entidade ou Indíviduo, considerar que estarmos a violar os seus direitos, por favor contacte-nos, e o(s) texto(s) serão prontamente retirados, assumindo que a queixa seja devidamente fundamentada.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Que Aristrocracia Sem Cor

QUE ARISTROCRACIA SEM COR

Que aristocracia sem cor
corre no sangue da lusa gente,
tão profundamente, que chega a esquecer-se
do que é e mente
a inventar impérios
pequeninos
ou áureas idades
de meninos
.

Manuel José da C. Teixeira (Mais além da saudade)

1 comentário:

Ana disse...

É um poema pequeno mas extraordinário pelo vocabulário adoptado e pelo que transmite, sem dúvida com "falta de cor na aristrocacia".
Bom fim de semana amigo.
Beijinhos.