Os Créditos para os Textos Seleccionados, a partir de Obras adquiridas, pertencem INTEGRALMENTE ao(à) seu(sua) Autor(a) ou Descendentes e Herdeiros e respectiva Editora. Os textos que não possuam a referência do Livro de origem, foram-nos enviados por amigos ou por pesquisas na net, pelo que, se alguma Entidade ou Indíviduo, considerar que estarmos a violar os seus direitos, por favor contacte-nos, e o(s) texto(s) serão prontamente retirados, assumindo que a queixa seja devidamente fundamentada.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Lavrador da várzea grande

LAVRADOR DA VÁRZEA GRANDE


Lavrador da várzea grande
a terra que me deu de meias
só nela a raiva cresceu;
a terra era tão dura
que o arado não rompeu.

Levei a minha enxada
p’ra sua terra cavar…
mas, a enxada o que fez
foi o meu corpo suar

Do suor que caiu
a semente apodreceu;
adubada com secura
só a raiva ali nasceu…

Lavrador da várzea grande
que terra você me deu!...

José da Fonte Santa (Magia Alentejana)

1 comentário:

Ana disse...

Este belo poema transmite o retrato da alma do povo alentejano, que com sacrifício amanhou aquelas terras em que o clima e a serventia eram abrasadores.
Gostei muito, parabéns ao autor do mesmo, e a ti por o divulgares.
Beijinhos grandes,
Ana Paula