Os Créditos para os Textos Seleccionados, a partir de Obras adquiridas, pertencem INTEGRALMENTE ao(à) seu(sua) Autor(a) ou Descendentes e Herdeiros e respectiva Editora. Os textos que não possuam a referência do Livro de origem, foram-nos enviados por amigos ou por pesquisas na net, pelo que, se alguma Entidade ou Indíviduo, considerar que estarmos a violar os seus direitos, por favor contacte-nos, e o(s) texto(s) serão prontamente retirados, assumindo que a queixa seja devidamente fundamentada.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

A Poesia do Silêncio

A POESIA DO SILÊNCIO


Encontro no silêncio
O grito das palavras
Paradas,
Escondidas, algemadas!
Encontro no silêncio
A poesia mais concreta
De um mendigo ou de um poeta
Perdido
Na multidão!
Encontro no silêncio
O carinho de um irmão,
Cujo nome desconheço
E junto ao qual adormeço
Quando desponta a manhã!
Encontro no silêncio
A ternura a soluçar
Quando as estrelas vão pousar
Sobre a minha telha vã!

Encontro no silêncio
O verbo mais que perfeito,
E sinto vibrar em mim
A luz, a graça e o jeito
Dum Alentejo sem fim!

Manuel Justino Ferreira (Poeta que parte…Poemas que ficam)

2 comentários:

Ana disse...

Os poemas ficam, e bem-haja a quem os divulgue!
Gostei deste belo poema em que o autor não silencia os seus sentimentos, as suas lembranças…
Bijinhos grandes,
Ana Paula

Fabrício Brandão disse...

Meu caro José Rasquinho,


É com muita satisfação que visto teu nobre espaço poético. É deveras recompensador estar entre versos e imagens nossas.

Gostaria de lhe agradecer imensamente pela sua atenciosa visita à Revista Cultural Diversos Afins, projeto que edito com muita dedicação.

Grande abraço!!