Os Créditos para os Textos Seleccionados, a partir de Obras adquiridas, pertencem INTEGRALMENTE ao(à) seu(sua) Autor(a) ou Descendentes e Herdeiros e respectiva Editora. Os textos que não possuam a referência do Livro de origem, foram-nos enviados por amigos ou por pesquisas na net, pelo que, se alguma Entidade ou Indíviduo, considerar que estarmos a violar os seus direitos, por favor contacte-nos, e o(s) texto(s) serão prontamente retirados, assumindo que a queixa seja devidamente fundamentada.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

Bocage

BOCAGE


Do alto da tua praça
Tu vês a vida passar.
Vês os pombos namorar
Vês um palhaço com graça
Vês também muita desgraça
Quantas vezes disfarçada
Vês quem nunca fez nada
Afirmando que faz tudo
Mas tu continuas mudo
Com tua boca fechada

Vês polícias, vês ladrões
Vês as festas e as lutas
Vês os putos e as putas
Empregados e patrões
Atropelos, empurrões
Mais um piropo com graça
Dito à garina que passa
E não tem nada a esconder
Tudo isto tu podes ver
Do alto da tua praça.

Senhoras passeiam cães
As criadas os meninos
Na igreja tocam os sinos
Tu vês passar os fiéis
Que levam brinco e anéis
Mas que não sabem rezar
Vês turista fotografar
E faça frio ou calor
Com teu olhar sonhador
Tu vês a vida passar.

José Rasquinho

3 comentários:

Lumife disse...

Belo retrato da Praça do Bocage e da sua figura central.

Abraço

Maria disse...

Passei para te agradecer a visita e para te conhecer.
Gostei bastante do que li.

Muito obrigada

Sandra Marques disse...

Olá José :)

Adorei esta tua iniciativa ... venha daí mais poesia :)
Aproveito para agradecer o prémio que me deste e não podia deixar de retribuir, por isso dá uma espreitadela aos meus blogs http://asasdossonhos.blogspot.com/ e http://chocolatepb.blogspot.com/

Beijinhos ;)